Páginas

terça-feira, 30 de abril de 2013

A erotização da mulher negra na teledramaturgia brasileira.

                Oi gente,  sei que tenho demorado um tanto pra publicar, mas perdoem essa preta aqui, é fim de período da minha faculdade e a minha vida não está nada fácil, prometo que vou me esforçar pra não ficar tanto tempo sem postar ok? Mas, não foi sobre isso que vim falar com você não, na verdade, vim problematizar mais uma vez  a forma como a imagem da mulher negra é vendida, estava aqui pensando em como é que nós, pretas, aparecemos na mídia, e lembrei de algumas situações e, principalmente, de algumas reflexões de aulas de Psicologia Social, já comentei sobre a disciplina aqui, a professora, Doutora Carmem Lúcia Sussel Mariano , conduzia as aulas de forma muito intrigante, provocativa e, principalmente pra mim que amo as temáticas discutidas, fabulosa. Mesmo na academia, onde se espera posicionamento crítico e luta social, sobretudo em um curso de ciências humanas,  não é muito raro perceber profissionais que se esquivam de sua função de formadores de opinião e criticidade, asseguro-lhes que não é o caso da professora em questão.
                Mas, voltemos ao assunto. Analisando novelas ( Rede Globo) mais recentes percebi que todas, sem exceção, de alguma forma pareavam a imagem da mulher preta à sexualidade exacerbada ou à burrice extrema, além de outros atributos como servidão suprema e/ou machismo.  É impressionante como isso ocorre de forma descarada e mesmo assim situações do tipo passam desapercebida por muitos olhos, mesmo por isso, hoje eu  trouxe aqui casos mais evidentes.
                Comecemos falando de Maria da Penha, cantora do grupo fictício As Empreguetes, das três garotas, apenas Penha falava errado, vestia roupas que, provavelmente, lhe provocavam dificuldade de respirar. Apenas Penha morava na favela e era passada para traz admitidamente pelo esposo (também negro). A mesma atriz, Thais Araújo, ainda viveu Preta em Da Cor do Pecado, não sei se preciso dizer muita coisa sobre Preta uma vez que o nome da novela já fala por si, gente, Da cor do Pecado? Por favor, por que é que o negro é associado ao pecado? Ao erro? O título da novela sugere que acima de qualquer coisa a personagem só conquista o almejado amor porque tem a cor marcada pelo pecado.
   Quem é que não se lembra de Dagmar de Fina Estampa e seus banhos demorados de mangueira? Quem é que não se lembra de seus vestidos extremamente curtos e da associação que era feita entre o sabor dos quitutes que a moça vendia e seu corpo?
               


  E por último, temos Bernadete de Aquele Beijo, preta que estava sempre de decote muito grande, falava muito alto, era sempre desbocada e não titubeava em “armar um barraco”.
                São poucos exemplos que citei, mas acredito que sejam suficientes pra observarmos como a “mágica da erotização” da imagem da mulher preta acontece né..  Deixo aqui algumas sugestões de leitura ( minhas e de Dra° Carmem)




4 comentários:

  1. Grazi gostei muito do seu texto heim... Esse assunto já havia percebido na TV, e isso me incomodava mesmo, as vezes até mudava de canal quando aparecia a Penha das Empreguetes, gente ridículo aquilo, eles fazem questão vulgarizar o máximo a imagem mulher negra...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente Joane, é uma coisa escrachada, eu não tenho assistido televisão ultimamente, mas suponho que não tenha mudado muita coisa não, a basear-se por Zorra Total, acredito que deva tudo estar no mesmo nível...

      Excluir